A TRANSFORMAÇÃO PASSA PELA CRUZ

Neuza Itioka

Eu já havia declarado que á um tempo, quem vê superficialmente o movimento evangélico no Brasil certamente poderá ser enganado, por que as aparências do mundo evangélico não correspondem com a sua realidade.

Hoje vivemos uma realidade que se deteriorou rapidamente, contrariando ao crescimento e as conquistas. Vivemos um tempo de apostasia. O apóstolo Paulo disse, em uma da suas epítolas, II Tessalonicences, 2:4 que antes do iníquo aparecer, haveria apostasia, um afastamento do povo que aparentemente cria e seguia a fé, abandoná-la de todo.

De fato, reconhecemos que a apostasia está iniciando. O povo chamado de Deus continua na sua prática da religiosidade, mas o coração está longe de Dele. Usa os seus lábios para servi-Lo. Mas, estaria fazendo em verdade e em espírito?

Pois, a percepção e o discernimento da situação da Igreja vão depender de quem observa a sua realidade e de que ponto de vista se analise. Há sinais preocupantes, pois o império do homem veio substituir o reino de Deus. E, com isto um tipo de idolatria tem se instalado sutilmente. È a idolatria do homem, da organização, do ministério, da igreja.

Percebemos que hoje para ser aceito o tamanho do ministério, o número que se atrai, a entrada do dinheiro são mais importante do que os frutos de transformação de vidas, de famílias, da Igreja. Os ministérios para serem reconhecidos têm que ser grandiosos e gloriosos. Têm de aparecer.

Os crentes em Jesus para serem respeitados têm que ser ricos. Eles têm que desfilar com carros importados e viver em mansões fabulosas, do contrário não são considerados espirituais.

Outro sinal da confusão é crer que a unidade seja uniformidade. Deus espera pela unidade do seu povo, a despeito da sua grande diversidade, tão amada por Ele. Pois cada ser humano foi criado como alguém singular, não existem duas pessoas iguais, por que o Criador faz questão da sua individualidade.

Contrariando a esta visão, vejo controle e manipulação de líderes que exigem de todos que estão debaixo da sua cobertura uma única linguagem exclusiva, a mesma aparência, um jeito particular de se vestir, uma única maneira de se perceber a realidade, engessando as pessoas, roubando a sua personalidade e fazendo dela um robô.

A mensagem do Evangelho está também sendo sutilmente mudada. Um pregador norte americano disse que hoje na sua terra, há conferências que atraem até 60.000 pessoas, pois é mais um auto – ajuda do que uma mensagem que dá a vida e uma mensagem que de fato transforma.

E, ficamos perguntando se não estamos caminhando para isto. Estamos pregando a mensagem para massagear o nosso eu? Mudaram o Evangelho? Como Jesus viveu? O que Ele pregou?

O que Jesus disse aos que queriam segue-Lo: “As raposas têm seus covis, e as aves do céu, ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça. “ Mt :8:20. Ele demonstrou a sua condição de vida e ainda disse; Então, convocando a multidão e juntamente os seus discípulos, disse- lhes: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga- me. Quem quiser, pois, salvar a sua vida perdê- la- á; e quem perder a vida por causa de mim e do evangelho salvá- la- á. Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Que daria um homem em troca de sua alma Mc8:34-37

Ficamos assustados, quando percebemos determinadas tendências, dentro da Igreja de Jesus. Antony La Vey, o fundador da Irmandade Satânica disse que o Satanismo consistia no Culto do Eu e na busca incontrolado do prazer. E, a nossa grande decepção, em observar que há muitos chamados cristãos, praticando o culto do eu e colocando o seu prazer particular, em primeiro lugar, não importando, quanto ela venha ferir o Senhor e o seu Corpo.

A mensagem da engorda do Eu, a busca do poder a qualquer preço tem se tornado muito popular. Jesus não incentivava a egolatria e nem ensinou aos seus discípulos defender incondicionalmente a sua e a reputação dos discípulos.

O espírito de pobreza e miséria não provém de Deus. Mas, a idolatria à prosperidade tem alimentado a ganância e avareza. Jesus sendo rico se fez pobre para nos enriquecer.
Agradecemos a Deus pela prosperidade saudável, segundo o seu coração. Mas, Jesus não havia dito que é muito difícil o rico entrar no reino de Deus? Pois veja que tipo de problema a prosperidade pode trazer: Paul Young Cho disse diante dos 5000 líderes internacionais que se reuniram em Seul, por ocasião do Congresso Global de Evangelismo Mundial (GCOWE) em 1997: “Há cinco anos, a prosperidade chegou á Coréia do Sul, e nós paramos de orar. A igreja da Coréia do Sul parou de orar.” Por isto, a tentação é sutil e o que devemos entender é que a prosperidade não é para nós e sim, para os outros. Ter algo para poder dar.

Todos os apóstolos de Jesus, menos João, morreram martirizados. Deus é Deus de proteção e de graça. Ele nos envia legião de anjos para proteger os seus, mas não somos melhores do que os discípulos que foram comidos por leões, que foram cerrados no meio, que foram queimados na fogueira.

O apóstolo Paulo tinha um propósito e uma obsessão: Ele queria conhecer a Deus, a Cristo e conhecê-Lo profundamente. Por isto Ele disse: “ para O conhecer, e o poder da sua ressurreição, e a comunhão dos seus sofrimentos, conformando-me com ele na sua morte; para, de algum modo, alcançar a ressurreição dentre os mortos. - (FP 3:11)

É exortação deste apóstolo obstinado por conhecer o seu Mestre, que nós nos considerássemos mortos para o pecado. De fato, a Bíblia diz que morremos com Ele, para o pecado. Quando entramos na água do batismo, aquilo simboliza de que morremos com Cristo e morremos para o pecado, mas, o pecado, sutilmente, ainda nos rodeia.

Não bastava considerar morto para o pecado, apenas, o apóstolo sabia o que era morrer constantemente. Ele levava o morrer de Cristo diariamente na sua vida. Ele experimentava na sua vida, como se morria para si, para os seus desejos, para a sua ambição particular, para a sua vaidade e glória. Por isto, ele se gloriava na sua fraqueza. Ele não se gloriava nas suas grandes visões e revelações, nem na sua escrita e na sua capacidade de convencer multidões e sinais e maravilhas, mas no fato de poder sofrer com Cristo.

“ levando sempre no corpo o morrer de Jesus, para que também a sua vida se manifeste em nosso corpo. Porque nós, que vivemos, somos sempre entregues à morte por causa de Jesus, para que também a vida de Jesus se manifeste em nossa carne mortal.” (2CO 4:10 e11)

A sutileza do pecado que nos rodeia, só pode ser combatida, através da nossa morte. Temos que morrer.. Temos de levar cada dia o morrer de Cristo em nós...O Evangelho que transforma não é o que nos leva a ostentação, orgulho e vaidade...

O evangelho que transforma não é aquele que engorda a vaidade pessoal e leva a o culto do eu, da sua reputação... do seu poder, do seu império.

Cremos que o que está faltando no meio do povo de Deus, hoje, é a falta da obra da crucificação do nosso eu, e do nosso morrer constante. Temos que aprender o que significa “Porque eu, mediante a própria lei, morri para a lei, a fim de viver para Deus. Estou crucificado com Cristo; logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim. - (GL 2:19 e 20)

O Apóstolo Paulo procurava a comunhão do sofrimento de Cristo, e se conformar ou seja tomar a forma da morte do Senhor, constantemente com a esperança de um dia alcançar a ressurreição.

Analisando as vidas de certos irmãos que têm convivido mais próximo comigo, verifiquei com gratidão, quanto eles passaram pela cruz. Experimentaram muitos níveis de morte. Estes têm levado o morrer em Cristo, constantemente. Estes têm sido transformados. Estes sim são os soldados de Cristo que estão vencendo o mundo, a carne e o diabo.

Interessantemente, os inimigos da fé que trabalham para destruir a igreja, tomam uma postura radical ao “levar o morrer de Cristo”. Pregam a sua filosofia, sim que é o puro hedonismo e a busca do prazer desenfreado, a engorda do eu...

O combustível e o material para o inimigo agir contra nós, são os nossos pecados, o nosso orgulho, a nossa arrogância. Por isto, a santidade convém a casa de Deus. A santidade começa com o negar o seu eu, renunciar tudo, tomar cada uma sua cruz e seguir a Jesus. Esta é a melhor forma de permitir a vida de Jesus Cristo fluir através de nós.

Santidade e Poder
"Porque o Filho do Homem há de vir na glória de seu Pai, com os seus anjos, e, então, retribuirá a cada um conforme as suas obras. Em verdade vos digo que alguns há, dos que aqui se encontram, que de maneira nenhuma passarão pela morte até que vejam vir o Filho do Homem no seu reino." (Mat. 16: 27 e 28)

 



LEVE-NOS PARA SUA IGREJA!

Clique aqui e obtenha maiores informações.


ACOMPANHE NOSSA AGENDA

Clique aqui para acessar